top of page

Associação de
Doentes de Dor
Crónica dos
Açores

SOBRE NÓS

A Associação de Doentes de Dor Crónica dos Açores (ADDCA) é uma instituição de solidariedade sem fins lucrativos (IPSS), é Membro da PAE (Pain Alliance Europe) e Fundadora da plataforma SIP Portugal (Impacto Social da Dor). Foi constituída em 2005, sendo a primeira associação em Portugal dedicada especificamente à Dor Crónica como Doença.

DOR CRÓNICA

A Dor é um grave problema de saúde na Europa e em todo o mundo.

SERVIÇOS

A Associação de Doentes de Dor Crónica dos Açores dispõe de uma variedade de serviços que visam promover uma melhor qualidade de vida e bem-estar ao indivíduo.

PROJETOS E EVENTOS

Ao longo dos anos, a Associação de Doentes de Dor Crónica dos Açores tem participado, organizado e dinamizado uma série de projetos relacionados com a Dor Crónica. 

HISTÓRIA

A Associação de Doentes de Dor Crónica dos Açores foi constituída em 2005, sendo considerada a primeira associação em Portugal dedicada especificamente à Dor Crónica como Doença.

ESTATUTOS E OUTROS

O funcionamento da Associação de Doentes de Dor Crónica dos Açores rege-se por um conjunto de estatutos que fazem parte do regulamento da mesma.

Sweet white daisy_edited.jpg

Seja nosso sócio!
 

TESTEMUNHOS

"Corria o ano de 1976. Tinha 19 anos. Um belo dia soalheiro de maio estava a dar lugar ao lusco-fusco. Como habitualmente, as minhas viagens eram feitas de mota de casa para o trabalho e vice-versa. No dia 28 de maio não foi exceção. A partir desta data tudo se alterou: ao subir uma estrada ingreme um trator desorientado veio para cima de mim e projetou-me por uma ribanceira abaixo. Fui deixado durante alguns minutos ao destino. Momentos depois alguém me socorreu e solicitou uma ambulância para ser transportado para o Hospital da Guarda. Mais tarde fui para Coimbra. Aqui permaneci durante um mês e meio. Fizeram-me algumas intervenções cirúrgicas. Tudo parecia correr com normalidade. A exceção foi o membro superior esquerdo. Uma paralisia total do plexo braquial estava diagnosticada. Ainda sem saber como reagir, as dores, embora de fraca intensidade, começavam a incomodar-me. Com uns analgésicos ia disfarçando a dor. Durante largos anos foi assim. Fui para um hospital de Lisboa, mais concretamente, para o hospital “Nossa Senhora de Fátima, na Parede. Aqui onde estive a fazer fisioterapia durante um ano e meio. A dor estava controlada com analgésicos. Passado esse tempo vim para os Açores. Fixei-me em São Miguel, onde tive conhecimento da Unidade de Dor, cita no Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada. Foi neste lugar que onde conheci a Dra. Teresa Flor de Lima na Unidade de Dor. Fui acompanhado e medicado por ela durante anos. Os benefícios foram magníficos. Numa escala de 0 a 10 a intensidade da minha dor  foi diminuindo, mesmo a dor irruptiva que aparecia inesperadamente, situando-se entre 3 e 6. Com o decorrer dos anos Fui melhorando os meus conhecimentos sobre a minha dor. Para isso, recorri recorrendo a registos, lendo artigos, sobre a dor e dialogando com a equipa multidisciplinar da Unidade de Dor, praticando fisioterapia, e prática de exercício físico. Atualmente a dor está parcialmente controlada. Contudo, esse O controlo da minha dornão é linear, pois ela aparece quando menos se espera. A com a mudança repentina do tempo e com a influência esse aparecimento. O do meu estado de espírito. também condiciona o controlo da dor. O otimismo e o baixo nível de ansiedade são, entre outras, condições indispensáveis à atenuação da dor. Familiar e socialmente a minha dor foi razoavelmente compreendida, pois, muitas vezes, o que se sabe não é o que se sente. Em colaboração com outras pessoas, contribuí para o aparecimento da Associação de Doentes de Dor Crónica dos Açores, a primeira em Portugal e a segunda na Península Ibérica, que muito contribuiu para o alívio da dor. Para concluir, pode haver doenças mais prioritárias do que a dor, mas é fundamental não a desvalorizar nem menosprezar o sofrimento que ela provoca às pessoas que padecem desta patologia e que afeta milhões de pessoas em todo o mundo."

Joaquim Tomé

Presidente da Direção da ADDCA

Joaquim Tomé

Presidente da Direção da ADDCA

^

Contato
Clientes

PROTOCOLOS

azoroptica.png
Centro de fisioterapia de Ponta Delgada.jpg
aljube.png
image-2.png
image-3.png
193464213_1126663537832830_4930216481154637745_n.jpg
378232733_805996828197633_6390106730297099392_n.jpg
logo.png
326544709_896600958355461_2952557248014008173_n.jpg

PARCERIAS

image-4.png
cresacor-logo-all-for-all.png
channels4_profile.jpg
logo-footer.png
cropped-logoisal.png
Captura de ecrã 2023-10-16, às 19.27_edited.jpg

Rua Dr. Aristides Moreira da Mota, 69, 9500-054, Ponta Delgada

910 696 806

  • Facebook
bottom of page